terça-feira, 14 de Junho de 2011

Tales de Mileto

Tales de Mileto foi um filósofo grego pré-socrático e um dos sete sábios da Grécia. Nasceu em Mileto (actualmente Turquia), e viveu de 624 BC a 556 BC. Foi reconhecido por Aristóteles como o fundador da filosofia natural.

Foi também a primeira pessoa, que se saiba, a propor explicações materialistas para os fenómenos naturais em vez de explicações mitológicas. As suas hipóteses eram racionais e cientí cas, e era considerado por muitos um pensador original, apesar de muitas das suas ideias estarem erradas.

Os interesses de Tales eram vastos. Investigou quase todas as áreas do conhecimento: Filosof ia, política, história, geografi a, engenharia, astronomia, matemática, e outras ciências. Tales desenvolveu o método científi co, e iniciou o primeiro "iluminismo ocidental". Foram-lhe atribuídos cinco teoremas euclidianos, apesar de não se crer que ele os tenha deduzido formalmente, tendo aplicado dois deles para a solução de problemas práticos. Resumidamente, estes teoremas são:

1. Um círculo é bissectado por qualquer diâmetro.
2. Os ângulos da base dum triângulo isósceles são iguais.
3. Ângulos opostos entre duas linhas rectas que se interceptam são iguais.
4. Dois triângulos com dois ângulos e um lado iguais são congruentes.
5. Um ângulo num semi-círculo é um ângulo recto.

Mas, possivelmente, a sua crença mais conhecida é a sua tese cosmológica, segundo a qual o mundo teria começado a partir da água. Foi Tales quem iniciou o problema da natureza da matéria e a sua transformação em todos os compostos do universo. Para a sua hipótese ser credível, era necessário explicar como poderiam ocorrer essas transformações. A metalurgia simples já era praticada muito antes de Tales ter apresentado a sua hipótese, pelo que ele sabia que o calor podia converter os metais ao seu estado líquido.

A compreensão de que a água podia gerar a terra era uma ideia fácil de aceitar na época. Isto deve-se à localização de Mileto. A evolução temporal do golfo sugeria que se formava terra. Por exemplo, ao fim de vários anos foi necessário reconstruir armazéns de forma a ficarem novamente próximos da água, entre outras observações. Só em 1769, com as experiências de Lavoisier, se provou que a criação de terra a partir da água era uma ideia errada, e a teoria da geração espontânea só foi dada como falsa no século XIX, com os trabalhos de Louis Pasteur.

Tales propôs soluções para várias outras questões acerca da Terra, como o seu suporte, a sua forma e tamanho, a causa dos terramotos.

Na astronomia, Tales previu um eclipse que ocorreu a 28 de Maio de 585 BC. Na altura decorria uma batalha entre dois povos, os Medos e os Lídios, e o evento, apesar desta previsão, que sugeria algo de ordenado, foi visto como desaprovação da batalha, por parte dos deuses, e os reis chegaram a acordo. Ele determinou também as datas dos solstícios, através de inúmeras observações ao longo dos anos, e relacionou-as com a posição variável do Sol ao longo do ano para as associar com as mudanças climáticas (as estações). Através de clépsidras (relógios de água), determinou a relação entre os diâmetros do Sol e da lua, e os perímetros das suas órbitas, mas devido ao instrumento usado, a sua precisão foi muito pequena, pelo que Ptolomeu, no século II, rejeitou todas as medidas tomadas usando clépsidras. Tales percebeu também as vantagens de navegar baseado na Ursa Menor, ao invés da Ursa Maior, como preferiam os gregos na época, que, por a sua posição no céu variar menos, e ofereceu os seus conselhos aos marinheiros de Mileto.

Como os gregos tinham o hábito de pegar nos conhecimentos exteriores e desenvolvê-los, é importante saber que viagens fez Tales. É sabido que esteve no Egipto, onde determinou a altura de uma das pirâmides com base na sua sombra, e há motivos para acreditar que visitou a Babilónia e a Caldeia, e que teve acesso
aos seus registos astrológicos, o que teria facilitado as suas conclusões.

Raimundo Martins

Sem comentários:

Enviar um comentário