terça-feira, 14 de junho de 2011

Demócrito

Demócrito (c. 460 aC-370 aC), filósofo grego que desenvolveu a teoria atómica do universo, foi discípulo do filósofo Leucipo. Demócrito nasceu em Abdera, Trácia. Escreveu numerosas obras, das quais só alguns fragmentos permanecem.

De acordo com a teoria atómica da matéria de Demócrito, todas as coisas são compostas de minúsculas partículas, invisíveis e de substância pura e indestrutível (em grego aget, "indivisível"), movendo-se para a eternidade num espaço infinito e vazio (em grego Kenon, "o vazio"). Embora os átomos fossem feitos do mesmo material, eles diferiam na forma, tamanho, peso, sequência e posição. Demócrito viu a criação de mundos como a consequência natural do movimento de rotação contínua dos átomos no espaço. Os átomos colidem e giram, formando grandes agregações da matéria.

Vida e Obra

A sua vida foi muito longa e rica em viagens. Visitou o Egipto, a Babilónia e a Pérsia a fim de estudar. Ele era amigo e discípulo de Leucipo (fundador do primeiro atomismo grego) e contemporâneo de Sócrates e do médico Hipócrates de Cos. Investigador aberto a muitos interesses diferentes, como indica o catálogo das obras que nos deixou Diógenes Laércio. Escreveu treze tetralogías que estão classificadas em cinco grandes temas: Livros ético, físico, matemático, filosófico e técnico. Escreveu obras sobre astronomia, geografia e ciências. Cícero elogiou o seu estilo, tanto pela beleza de sua linguagem, em contraste com a obscuridade de Heráclito.

Doutrina

A importância histórica da filosofia de Demócrito é a originalidade de sua hermenêutica metodológica e crítica. Demócrito difere da doxografia pré-socrática, não só mas também pela utilização da definição e método demonstrativo para "salvar os fenómenos" de volta deles para "o que é anterior por natureza". A este procedimento Demócrito chamou demonstração. Com Demócrito iniciou a sistemática do período da história da filosofia.

Demócrito expôs sua doutrina no livro Miakròs diákosmos (o pequeno sistema do mundo), que conhecemos apenas por referências indirectas. Esse trabalho expressa uma concepção da Natureza baseada, como a do seu mestre, nos princípios do ser e não ser da tradição eleata. O ser tem as características de ser puro e completo de Parménides, indivisível, nem gerado ou corruptível. Mas, ao contrário do Uno eleata, que além de ser único é estacionário, o ser de Demócrito é infinito quanto ao número, é uma pluridade de "átomos" incontáveis, que diferem apenas na forma, e estão em movimento continuo e espontâneo. A pluralidade e o movimento desses átomos são devidas ao vácuo. Em oposição expressa ao princípio fundamental do pensamento eleata, o atomismo antigo, a fim de "salvar os fenómenos", diz que "a existência da coisa não é maior que a existência de nada" . Cada átomo ("indivisível") está cheio (sem vazio) e é indivisível por sua solidez. Estes corpos indivisíveis têm um correspondente "indivisível”. Tais formas indivisíveis, infinitamente variadas, movem-se espontaneamente num vácuo, sem resistência do não-ser. Encontram-se, separam-se, adicionam-se e dividem-se numa vibração eterna, de donde os vórtices vêm e geram mundos, infinitamente variados e separados uns dos outros, compostos de átomos e vácuo. Assim, o movimento dos átomos no vácuo conduz ao nascimento e a morte de entidades individuais, sem perda de elementos reais.

Alejandro Pazó de la Sota

Sem comentários:

Enviar um comentário